Aguarde...

SAÚDE QUE SE VÊ

Embaixada dos Emirados Árabes Unidos em Lisboa dá exemplo pela dádiva de sangue

LUSA
10-10-2019 09:02h

A Embaixada dos Emirados Árabes Unidos (EAU) deu esta quarta-feira o exemplo pela dádiva de sangue, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, como forma de incentivar a população a fazer o mesmo.

O embaixador dos Emirados Árabes Unidos, Moosa Abdulwahid Alkhajah, aderiu à iniciativa dos funcionários da Embaixada em doar sangue e espera que as pessoas se sintam motivadas por estarem várias nacionalidades envolvidas nesta causa.

"É com uma grande alegria e com uma grande honra que dou a cara, pois temos um sentido de partilha enorme. Este ano estamos a celebrar o ano da tolerância e não há melhor maneira do que esta”, disse o embaixador à Lusa.

“Nos Emirados temos o banco de sangue. Há muita adesão a estas iniciativas, tanto por parte dos cidadãos dos Emirados como de estrangeiros”, acrescentou.

Esta iniciativa, que partiu da própria equipa da Embaixada dos Emirados Árabes Unidos, tem como objetivo incentivar as pessoas a doarem sangue e a aliarem-se a causas de partilha e saúde pública.

“Se nós estamos a promover constantemente um discurso moderno nas redes sociais, então vamos passar a por isto em prática. É um ato gratificante, é um sentido de cidadania e humanitário fantástico”, referiu a assessora de imprensa da Embaixada dos EAU, Sihem Farjallah.

O diretor do serviço de Imuno-Hemoterapia do Centro Hospitalar Lisboa Norte, Álvaro Beleza, considera que esta ação da Embaixada é uma mais valia na divulgação da necessidade contínua da doação de sangue.

“Como é uma embaixada, divulgam a dádiva à população em geral. E penso que vão transmitir que, para além de estarem a fazer diplomacia em Portugal, também contribuem para o sistema de saúde do país”, comentou.

Ainda que nos últimos anos a doação de sangue por parte dos jovens tenha aumentado, em especial por parte de estudantes de medicina e enfermagem, Álvaro Beleza considera que é sempre importante apelar à população para a dádiva de sangue.

“O sangue é sempre escasso. Portugal é dos países europeus que tem um melhor sistema de sangue, o Instituto Português do Sangue e da Transplantação é exemplar a nível europeu e quem precisa de sangue, tem sangue. No entanto, é um bem escasso e há alturas do ano em que faz muita falta, sobretudo no Natal e ano novo e no verão, em que os dadores vão de férias e é quando há mais acidentes”, explicou o diretor do serviço de Imuno-Hemoterapia do Centro Hospitalar Lisboa Norte.

O presidente do Concelho de Administração do Centro Hospitalar Lisboa Norte, Daniel Ferro, deixou em aberto a possibilidade de futuramente, existir alguma iniciativa que justifique um protocolo com a Embaixada. Moosa Alkhajah mostrou-se disponível para futuras parcerias.

MAIS NOTÍCIAS