SAÚDE QUE SE VÊ

Ruas rejeita que mérito da construção do centro de radioterapia em Viseu seja do PS

LUSA
25-11-2021 15:54h

O presidente da Câmara de Viseu, Fernando Ruas, avisou hoje que renunciará à liderança da Comunidade Intermunicipal se “alguém com poder de decisão” atribuir o mérito da construção do Centro de Ambulatório e Radioterapia ao socialista João Azevedo.

Durante a reunião pública de câmara, Fernando Ruas (PSD) salientou o empenho que quer a anterior presidência da Comunidade Intermunicipal (CIM) Viseu Dão Lafões, quer a atual, tiveram para que o Centro Hospitalar Tondela Viseu possa avançar com uma candidatura a fundos do quadro comunitário em vigor que permita a construção do centro.

“Enquanto presidente da CIM, não admito que alguém venha usar esta prerrogativa da influência para dizer que é seu o mérito desta colocação”, disse Fernando Ruas.

Por isso, garantiu que, “se por acaso alguém com poder de decisão”, como a presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC) ou a ministra da tutela, falar na influência do deputado parlamentar e vereador socialista João Azevedo no processo, fará, “nesse momento, a renúncia” ao lugar para o qual foi eleito por unanimidade na CIM.

Na semana passada, Fernando Ruas anunciou que pediu à presidente da CCDR para não deixar arrastar esta obra para o próximo quadro comunitário de apoio, o que levou os deputados do PS a reagir em comunicado, dizendo: “tudo fizemos desde o primeiro minuto, e só nós, para que este projeto fosse uma realidade para Viseu e para toda a região”.

Na reunião de câmara de hoje, o vereador João Azevedo (que encabeçou a lista do PS nas últimas autárquicas), afirmou que “não vale a pena reescrever a história, a história está escrita e bem escrita”.

“Eu tive a possibilidade de a acompanhar desde o início, assumo, é o que é, vale o que vale. Durante semanas e meses referi aquilo que estava a ser feito e felizmente para Viseu e para os viseenses isso vai acontecer”, frisou.

Fernando Ruas referiu que não admitiria estar a presidir uma CIM à qual “fossem subtraídos os poderes por qualquer tentativa de influência, seja ela legítima ou não”.

“As instituições devem funcionar independentemente de quem está em cada momento a assegurar a gestão quer do país, quer da região e é essa a nossa postura”, disse o autarca social-democrata, lembrando que “o período da campanha passou”.

Ruas sublinhou que “foram os autarcas todos (da CIM) que se disponibilizaram e decidiram, de uma forma corajosa, que o principal investimento que devia ser colocado a fundos comunitários” era o Centro de Ambulatório e Radioterapia e “tem que se lhes dar o mérito”.

MAIS NOTÍCIAS