Aguarde...

SAÚDE QUE SE VÊ

É preciso “escalpelizar” casos de morte infantil, diz Marta Temido

LUSA
13-05-2019 17:35h

Marta Temido diz que só percebendo o que falhou é que se consegue melhorar. Pediatra Jorge Amil Dias defende que pode haver medidas a tomar.

“Estamos inteiramente de acordo sobre a necessidade de se escalpelizar até ao limite das nossas possibilidades cada um dos casos de óbitos ocorridos porque estamos a falar de óbitos de meninos”, afirmou aos jornalistas à margem da assembleia geral da Federação Europeia dos Reguladores da Medicina Dentária (FEDCAR), no Porto.

O presidente do Colégio de Pediatria da Ordem dos Médicos, Jorge Amil Dias, defendeu na TSF que é preciso estudar, caso a caso, os números da mortalidade infantil de 2018, que registou o valor mais alto dos últimos cinco anos.

Apesar de considerar que não há razão para alarme, o pediatra entende que é preciso compreender este aumento com o devido rigor: “Há efetivamente uma pequena variação em relação aos números anteriores e faz todo o sentido que haja uma análise dessa variação, ver se há medidas a tomar”.

O médico foi um dos consultores do grupo de trabalho criado pela Direção-Geral da Saúde (DGS), em janeiro, para estudar a mortalidade infantil.

Dois meses depois, a diretora-geral, Graça Freitas, revelou no parlamento que os peritos não encontraram causas concretas que justifiquem o aumento, mas considerou que as condições socioeconómicas podem estar a ter consequências na saúde das mães e dos recém-nascidos, adianta a TSF.

“Pese embora todos os intervenientes reconheçam que os números têm variações que em números absolutos são variações de pequenos números é importante perceber o que falhou em cada um dos casos porque só assim nos permitirá melhorar”, frisou Marta Temido. Essa orientação já foi transmitida à DGS que está a desenvolver o seu trabalho, acrescentou.

MAIS NOTÍCIAS