Aguarde...

SAÚDE QUE SE VÊ

Angola imuniza mais de 2,5 milhões de crianças contra pólio já com mais de 40 casos

LUSA
15-11-2019 17:49h

Uma campanha de vacinação contra a poliomielite, doença que depois de sete anos sem casos registou este ano 42 ocorrências, arrancou hoje em cinco províncias angolanas, para a imunização de 2,5 milhões de crianças.

A ministra da Saúde de Angola, Sílvia Lutucuta, disse na cerimónia de lançamento da campanha em Luanda, no município de Cacuaco, que o país está a "enfrentar uma situação difícil" com o número de casos registados.

Segundo a governante angolana, a província do Cuanza Sul é a região com mais casos notificados (13), seguindo-se o Huambo (11), Luanda (6), Lunda Norte (4), Huíla (3), Benguela (2) e o Bié, Malanje e Lunda Sul, com um caso cada.

Sílvia Lutucuta referiu que para controlar o surto da doença, o Governo de Angola com o apoio de parceiros nacionais e internacionais decidiram implementar a campanha de bloqueio contra a poliomielite casa a casa.

"Para todas as crianças dos zero e menores de cinco anos dos municípios afetados e vizinhos, prevendo-se vacinar mais de 2,5 milhões de crianças, sendo para Luanda a previsão de 1,6 milhões de crianças", afirmou.

A campanha decorre até domingo nas províncias de Luanda, Bengo, Cuanza Norte, Malanje e Uíje, numa ação porta a porta, com equipas fixas em creches, igrejas e mercados.

Para esta ação, as autoridades sanitárias angolanas contam com o envolvimento de efetivos das Forças Armadas angolanas, Polícia Nacional e do Serviço de Proteção Civil e Bombeiros.

Angola não notificava casos desde 2011, mas há quatro meses voltaram a ser registados casos, sobretudo nas províncias do leste do país - Lunda Norte, Lunda Sul e Moxico.

A província de Luanda, capital de Angola, também registou casos da doença, tendo as províncias com maior incidência realizado já as suas campanhas de imunização.

O país lusófono estava certificado pelo Comité de Certificação Regional Africano como livre do vírus da pólio, tendo os últimos cinco casos sido notificados em 2011, nas províncias do Uíje e Cuando Cubango.

MAIS NOTÍCIAS