Aguarde...

SAÚDE QUE SE VÊ
Henrique Martins, Presidente da SPMS

Mais de 2.000 médicos já passam receitas por telemóvel

LUSA
20-03-2019 12:07h

Mais de 2.000 médicos já estão a passar receitas aos utentes através do telemóvel, uma funcionalidade que entrou em vigor há um mês, a PEM Móvel – Aplicação de Prescrição Eletrónica Médica, anunciou esta terça-feira o Presidente dos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde -SPMS.

Antes desta funcionalidade, o médico tinha de usar computador com leitor de cartão, para o cartão da Ordem dos Médicos ou cartão do cidadão. Agora, usa a chave móvel digital com valor de assinatura, o que permite que as receitas médicas sejam passadas pelo médico através do telemóvel e enviadas diretamente para um número de telemóvel ou e-mail do utente.

Este projeto vai ser explicado no «Portugal eHealth Summit», a cimeira de tecnologia e saúde que decorre de hoje até sexta-feira em Lisboa, promovida pelo Ministério da Saúde, através da SPMS.

«Vamos explicar melhor esse projeto, tentando sensibilizar as pessoas para a sua utilização», disse o presidente da SPMS, Henrique Martins, adiantando que «mais de 2.000 médicos já estão a utilizar a prescrição eletrónica no telemóvel».

Dados da SPMS indicam que só no ano passado foram prescritas mais de meio milhão de receitas manuais e no domicílio, com os antigos modelos de receita A5 em papel.

Também no setor privado há ainda cerca de três milhões de receitas prescritas manualmente, que resultam por vezes de contactos telefónicos que os doentes têm com os médicos ou de pedidos de prescrição posteriores a uma consulta presencial.

Através desta funcionalidade, Henrique Martins espera uma «diminuição muito grande» das receitas em papel passadas nos casos em que os médicos se deslocam a casa do doente.

Boletim de vacinas online

Questionado sobre o registo eletrónico da vacinação, Henrique Martins disse que, neste momento, praticamente todas as pessoas que pretendam consultar o seu boletim de vacinas no Portal SNS (Serviço Nacional de Saúde) já o pode fazer.

O utente pode descarregar o seu boletim de vacinas e andar com ele no seu telemóvel desde que tenha um smartphone, explicou o presidente da SPMS.

«É uma ferramenta que teve uma grande adesão. Posso dizer que diariamente mais de mil pessoas consultam o seu boletim de vacinas online», vincou.

Também médicos e enfermeiros podem aceder a esse registo eletrónico das vacinas em qualquer unidade do SNS.

Inteligência artificial e robótica na medicina

No «Portugal eHealth Summit», mais de trinta ‘start-up’ vão apresentar os seus projetos na área da saúde e essas tecnologias vão ficar disponíveis para os hospitais utilizarem, disse Henrique Martins.

A inteligência artificial e robótica na medicina é um dos temas em debate na cimeira de tecnologia e saúde.

Um dos projetos que já está a ser trabalhado é o «Derm.AI – Utilização de Inteligência Artificial na Teledermatologia» que visa analisar fotografias da pele e ajudar a fazer uma avaliação prévia.

«Esta avaliação não dispensa a avaliação do médico, mas pode ajudar por exemplo a separar os casos como maior suspeita dos casos com menor suspeita», disse Henrique Martins, sublinhando que é uma tecnologia onde a inteligência artificial pode ser muito potenciador do diagnóstico.

«Caracterizar e reduzir a prescrição inadequada de antibióticos» é outro projeto nesta área, que permite identificar padrões de prescrição com risco de antibióticos em excesso.

«Nós sabemos que certos padrões de prescrição podem estar mais associados a resistências e vai ajudar-nos a identificar quais são os médicos, os contextos (hospitalar, cuidados primários), em que podemos eventualmente fazer, por exemplo, uma intervenção e explicar melhor os riscos do uso de uma antibioterapia desadequada», adiantou.

MAIS NOTÍCIAS